OPINIÃO: Paixão brava pelos toiros | AzoresTV by VITEC - canal regional com produções dos Açores, vídeos HD e diretos dos melhores eventos da região.

Texto/ João Rocha* | joaorochagenio@hotmail.com Foto/ VITEC   Assumo desde logo: ocasionalmente vou a touradas (começam a 1 de maio), mas jamais alinharei pela equipa dos fervorosos aficionados. Escasseia-me conhecimento e, acima de tudo, paixão.  Por ...

opiniao, joao, rocha, paixao, brava, toiros, tradiçao, terceira, açores

OPINIÃO: Paixão brava pelos toiros

Publicado por: Vitec
2019/04/28 22:28:33
Foto/ Vitec
Foto/ Vitec

Texto/ João Rocha* | joaorochagenio@hotmail.com

Foto/ VITEC

 

Assumo desde logo: ocasionalmente vou a touradas (começam a 1 de maio), mas jamais alinharei pela equipa dos fervorosos aficionados. Escasseia-me conhecimento e, acima de tudo, paixão. 
Por exemplo, em relação ao toiro, a preocupação máxima, num arraial, não é ver o bicho, mas, antes pelo contrário, fazer tudo (andando em sentido inverso é remédio santo...) para que ele não bote a vista na minha sombra. A esta distância toda, sempre a contar com a segurança dos riscos que limitam o percurso, mesmo que percebesse alguma coisa do assunto, jamais poderia opinar sobre a bravura do toiro ou a habilidade do capinha. 

 

Posso, todavia, falar da paixão imensa de tanta gente pela festa brava. O sentimento é contagiante. Defende-se ganadarias e discute-se acaloradamente sobre o “melhor toiro”. Acicata-se rivalidades inter-freguesias sobre a tourada à corda mais afamada. O arraial representa pedaços de coragem de gente disposta a desafiar um animal, embora nobre, sempre poderoso face à condição humana.

 

Há gritos de medo por causa de uma iminente colhida e sorrisos arrancados por momentos hilariantes que fazem as delícias dos caçadores de imagens. Os olhos, mais entendidos, acompanham todos os passos dos toiros, enquanto que, noutra latitude de interesses, cruzam-se olhares bordados de romance cúmplice dos verdes anos. 
E, como em tantas outras manifestações culturais e sociais terceirenses, concilia-se diversão e trabalho. Toda esta envolvência (homem/toiro) não é traduzível numa crónica de jornal e representa quase um mundo à parte. 

 

São rituais, cuja essência se encontra no mato, que precisam de ser (re)vividos com vista à sua compreensão plena. Por isso mesmo, na minha humilde opinião, as touradas à corda dificilmente serão transformadas em produto turístico de massas. 

 

O mais bonito, como vamos aprendendo pelo andar da vida, só será visível pelo coração. Um inglês, por exemplo, preferirá caçar raposas. Por aqui, a malta vai mais em touradas.

No “quinto toiro” (comes e bebes nas tascas e casas que gostam de receber familiares, amigos, amigos dos amigos e até desconhecidos), estou seguro, o turista não terá a mínima dificuldade de adaptação. Nestes casos, e dispensado até o recurso à Internet, sabemos ser os tipos mais globalizantes de que há memória...

 

Texto/ João Rocha | joaorochagenio@hotmail.com

*Jornalista

Foto/ VITEC

Imagens de notícias

Categorias:
Tags:

Partilhar

Powered by WebTV Solutions