Governo quer erradicar térmitas das zonas urbanas afetadas num prazo de 10 anos | VITEC - canal regional com produções dos Açores, vídeos HD e diretos dos melhores eventos da região.

O Secretário Regional da Agricultura e Ambiente anunciou hoje, em Ponta Delgada, que o Governo dos Açores está a preparar um plano de combate às térmitas “por forma a erradicar a praga das zonas urbanas mais afetadas num espaço temporal de 10 anos”. Lu...

o, secretário, regional, da, agricultura, e, ambiente, anunciou, hoje, em, ponta, delgada, que, o, governo, dos, açores, está, a, preparar, um, plano, de, combate, às, térmitas, “por, forma, a, erradicar, a, praga, das, zonas, urbanas, mais, afetadas, num, espaço, temporal, de, 10, anos”, lu

Governo quer erradicar térmitas das zonas urbanas afetadas num prazo de 10 anos

Publicado por: Vitec
2014/12/18 19:09:46

O Secretário Regional da Agricultura e Ambiente anunciou hoje, em Ponta Delgada, que o Governo dos Açores está a preparar um plano de combate às térmitas “por forma a erradicar a praga das zonas urbanas mais afetadas num espaço temporal de 10 anos”.

Luís Neto Viveiros salientou que, ao abrigo deste plano, que está a ser desenhado em parceria com a Universidade dos Açores, “será possível, através de sistemas de combate à praga cientificamente comprovados, intervir no edificado atual”.

 

O Secretário Regional, que falava aos jornalistas à margem de uma audição na Comissão de Economia da Assembleia Legislativa, frisou que a preocupação com o combate às pragas, nas suas várias vertentes, tem sido uma constante do Governo ao longo dos anos e, por isso, estão vigentes vários diplomas que regulam a intervenção pública nesse combate e, também, no que se refere “às espécies protegidas e que importa acautelar, encontrando-se um equilíbrio entre o que são as densidades permitidas, a atividade agrícola e a sua preservação”.

Luís Neto Viveiros reafirmou que “o Governo tem a consciência que, em todas as áreas a que a proposta do PSD/Açores se refere, existe uma cobertura legal que permite que as intervenções tenham sido eficazes”, o que não significa que não possam vir a ser melhoradas, considerando, por isso, “bem-vindos os contributos das diferentes forças políticas e das associações interessadas”.

 

Foto/Gacs

Imagens de notícias

Partilhar

Powered by WebTV Solutions